quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Retratos de um passado revelado

Um passeio pela extinta profissão de lambe-lambe, a arte que a tecnologia desbancou

Fotos por mim



Não é nada comum nos dias de hoje, mas, ao passar pela famosa Feira do Rato, no Centro da cidade, pode-se vê-la: ultrapassada, mas se impondo, exposta diante de tanta tecnologia e debaixo de um guarda-sol entre os trilhos do trem. Hoje é só uma caixa vazia servindo para chamar a atenção dos que passam. Triste fim para quem há dez anos atrás era responsável por uma enorme produção de retratos revelados na hora. Desbancada pela tecnologia.

No início do século, o exercício da fotografia era feito através de uma união de câmera com laboratório, a câmera lambe-lambe. Ganhou esse nome engraçado por conta da prática da revelação das fotos: o papel fotográfico teria que ser banhado em alguns químicos, um deles, o fixador, que, como o próprio nome diz, fixa a imagem no papel. Os fotógrafos passavam a língua na foto durante essa lavagem para sentir, pelo gosto, se estava pronta.

José Aurino dos Santos, 40 anos, nasceu no interior de Alagoas, na cidade de Anadia. Até os 16 anos cortava cana quando resolveu se mudar para a capital. Já em Maceió aprendeu tudo com o irmão, o já fotógrafo Antônio dos Santos. A partir daí começou a profissão de retratista, controlando durante muito tempo a câmera lambe-lambe. É a esse ofício, praticamente extinto, que dedica mais da metade de sua vida.

Quando a era digital começou a surgir, Seu José ainda tentou continuar com seu método tradicional e até chegou a pensar em desistir, mas, segundo ele, é a única coisa que sabe fazer. Com as câmeras digitais sendo comercializadas e máquinas reveladoras sendo criadas, ficou cada vez mais difícil conseguir comprar o material necessário para a revelação das fotos - os químicos não são mais achados com a facilidade de antigamente. Relutou, mas foi obrigado a se adaptar ao novo mundo, comprando uma câmera digital e uma pequena impressora bem operacional, que até dá a opção de alguns retoques na foto. “Antes, isso aqui era cheio de lambe-lambe. Foi-se acabando, alguns largaram a profissão, outros morreram. E o movimento caiu muito. Tem dias em que eu só faço uma foto. Eu sinto falta porque, além de tudo, é uma tradição e muita gente admira. Na semana passada chegaram alguns turistas aqui e pediram para que eu fizesse foto deles, mas quando viram que era digital, não quiseram mais. Queriam mesmo era da lambe-lambe”, diz.

Ele confessa que foi difícil aprender a lidar com a tecnologia, mas, para isso, contou com a ajuda do filho adolescente. Enquanto levou 15 dias para dominar sua lambe-lambe, passou mais de um mês para se familiarizar com o aparato digital. E embora admita que é muito mais fácil trabalhar com o equipamento novo e que “foi a melhor coisa que inventaram para quem trabalha com fotografia”, diz que se pudesse voltar a usar a câmera antiga, o faria sem vacilar.

Cícero Benedito, 43 anos, mais conhecido como Kiko, divide seu ponto de trabalho com Antônio dos Santos, o Tonho Matuto, 51 anos – o irmão do Seu José – com quem também mantém uma sociedade. Os fregueses e o dinheiro são divididos igualmente entre os dois. Também foram obrigados a se renderem aos equipamentos digitais.

Kiko conta que ficou triste, até tentou adaptar a lambe-lambe para o digital, mas não conseguiu. Faz dois anos que ela parou de vez. “Eu sinto muita falta do processo todo, era tudo artesanal mesmo. Quando a foto saía com alguma mancha ou detalhe que o freguês não gostava, a gente fazia retoque com um palito, molhava mais um pouquinho e pronto. Tudo se resolvia”, explica. Embore concorde que é muito mais eficaz trabalhar com tecnologia, reclama dos custos: “Se essa câmera digital quebrar, é muito difícil consertar, tem que mandar para assistência técnica e ainda é muito caro. Com a lambe-lambe não tinha problema, a gente mesmo dava jeito se quebrasse ou se não estivesse funcionando bem”.

O local de trabalho dos dois é mais organizado do que o de Seu José, em plena Feira do Rato. Quando passam ônibus de turismo, eles são uma verdadeira atração, as pessoas colocam logo suas câmeras para fora da janela para registrá-los. Causam o furor da descoberta de um animal em extinção. “Caímos no esquecimento”, diz um Kiko tristonho, mas orgulhoso de sua arte. “O bom é olhar a foto e pensar ‘fui eu que fiz’. Porque nós fazíamos mesmo, fazíamos tudo”. E faziam mesmo. Com todo o significado dessa palavra. “Depois de 20 anos, tem gente que passa por aqui e diz que ainda tem foto comigo, é uma alegria”.



Um autodidata da fotografia


Com um sorriso sincero, uma voz forte e muita história pra contar, Seu Manoel da Taboca, 72 anos, é um gênio da fotografia não descoberto. Nasceu em Anadia, onde foi criado na roça. Aos 16 anos viajou para São Paulo para trabalhar em plantações. Lá conheceu um japonês que tinha uma câmera fotográfica. Quando a viu, encantou-se. Começou a aprender assistindo ao amigo revelar as fotografias.

Mesmo tendo perdido o dedo polegar da mão direita num acidente, foi muito difícil deixar a roça e, por muito tempo, a fotografia foi apenas um hobby. Mas desde que aprendeu, não parou de inventar engenhocas e formas de melhorar o processo. Ainda trabalhando em uma usina, montou um laboratório em casa e revelava suas fotos nos fins de semana. “Fiz uma câmara escura e um quadrinho com um papel na frente para a luz entrar difusa. Mas na época eu nem sabia que aquilo era um difusor, só sabia que era para a luz entrar espalhada”, descreve.

Ele relembra, com os olhos cheios de saudade, que perdeu a visão do olho esquerdo por conta de uma pedrada, mas que nem isso conseguiu atrapalhar seu amor pela arte visual. “Eu amava aquilo, ver a imagem surgindo aos poucos num papel em branco. Eu chamava todo mundo em casa pra ver”.

Um dia viu numa praça dois fotógrafos trabalhando com câmeras lambe-lambes. Até então, não conhecia a máquina que dava a possibilidade de revelar as fotos sem precisar de um laboratório. “Fiquei impressionado olhando eles trabalharem. Daí comecei a construir uma lambe-lambe. Criação minha, fiz e aprendi a usá-la sozinho. Fui me aperfeiçoando e comecei a ganhar dinheiro trabalhando como fotógrafo. Pedi demissão da usina”, conta todo orgulhoso.

Em seu percurso, já estava no Mato Grosso, quando achou uma praça que não tinha fotógrafo. Armou sua câmera e fez do local seu ponto dali em diante. Em seis meses, diz, ganhou o equivalente a 20 mil reais e resolveu realizar o sonho antigo de voltar para Alagoas. Chegou trazendo a novidade da câmera com filme quando os poucos fotógrafos que já existiam usavam chapas e papel. Começou a fabricar as câmeras por encomenda, que também foram instaladas pela empresa Egídio Fotografias, onde Seu Manoel trabalhou. Também prestou seus serviços ao extinto Jornal de Alagoas nos últimos seis meses de vida da empresa.

“Mais ou menos em 67, quando chegou a fotografia colorida, ninguém mais queria tirar foto em preto-e-branco. Que desgosto que dava”, relembra. E completa: “Comecei a estudar um jeito de preservar a lambe-lambe, o processo de revelação do colorido era muito difícil e caro. Eu quebrava a cabeça, mas não desisti. Sempre fui criativo e um dia consegui”. Assim Seu Manoel da Taboca criou e sustentou seus 17 filhos.

De fato, não se interessou pela novidade dos equipamentos digitais, parando de fotografar em fevereiro de 2006, após 39 anos de carreira. “Eu tenho saudade, sonho muito com o tempo em que eu trabalhava com fotografia. Sinto falta demais”, emociona-se.

Fotos e Texto por Larissa Fontes

*Matéria publicada no O Jornal do dia 21 de Novembro de 2010, na página Universidades.

5 comentários:

Luna disse...

ah, e eu continuo adorando fotografias antigas.

linda matéria, texto, artigo, adorei.

Memória das águas disse...

Maravilha de matéria!
Que tesouro!
Onde encontrar esta figura?

Abraços!

★★ GIZA ★★ disse...

olà
fiz um blog novo e adoraria a sua presença por là
me siga por favor
www.amorimortall.blogspot.com
obrigado
beijos

Cáh disse...

nossa, concordo com os de cima - que tesouro! -


Um beijo

Fred Matos disse...

Excelente matéria.
Tenha um bom domingo