segunda-feira, 15 de junho de 2009

Se só, ou se mar


Caminho sem saber e sem pensar. Uma estrada esburacada, mas bonita. Canteiros de um verde escuro e galhinhos marrons, dando um tom meio sépia à paisagem. Era aí que tudo se passava. Tudo bem sereno. Não sabia se era só. Tinha ela bem do lado, mas às vezes ela ficava meio distante, como se não estivesse ali. Sensação de não saber mesmo. De não pensar. Mas já imerso em um turbilhão de pensamentos. Quando um sentia o calcanhar doer de tanto andar, paravam e sentavam na beira da estrada mesmo. Olhavam o nada acontecer e só sentiam. Sentiam o nada acontecer. Aconteciam, em meio ao nada. Queriam ver o mar. Mas o mar parecia estar longe dali. Não cabia azul àquelas cores. Então brincavam de imaginar o som das ondas. ‘Agora uma onda chegou e engoliu os meus pés. Eu estou deixando, estou gostando dessa sensação!’. Pareciam estar lá mesmo. Quase conseguiam pisar nas areias quentes de sol. Mas voltavam de repente a estrada esburacada, mas bonita. Canteiros de um verde escuro e galhinhos marrons, dando um tom meio sépia à paisagem. Em alguns buracos havia água. Era o máximo de mar que podiam ter. Não achavam lugar nenhum. Por que estavam ali? Pra onde iam? Não sabiam. Queriam ver o mar. Mas o mar parecia estar longe dali. Não cabia azul àquelas cores...

Larissa Fontes

'Mas eu conto com você,
pois enquanto eu não me resolver,
eu vou lá, eu vou lá, eu vou..'

Ao som de 'Teus olhos', da Ivete com o Camelo.

25 comentários:

Guilherme Ramos disse...

O que dizer, Lari?
Prosopoesia. Prosopoesia.
E gosto mais (e mais) do que leio
Aqui (e de ti), a cada dia.

Bjo!

(Ah! Obrigado pelo lance do selo. Agora preciso entender melhor como fazer... rs... É uma novidade pra mim! A gente se fala!)

Fernando Costa disse...

Obrigado querida de coração por suas palavras...

Também gosto muito de seu cantinho e de suas palavras sempre muito precisas...

Beijo grande

Fê.

Marina disse...

Se o mar é o objetivo, o caminho vale a pena. Sempre.

Lindo! Beijos!

Raquel Oliveira disse...

Amei o presente do selo... e vou fazer a minha lista...rs

Com relação ao que escreveu aqui é totalmente completo pra mim.
Acredito que estava assim durante um tempo.

Pocurando o mar...
Nos levamos sem pensar
e enquanto não machucar
vamos sem olhar
somente à fantasiar
Mas uma hora resolvemos mudar
para a realidade encontrar
Descobrimos atalhos
de como chegar
na imensidão
do infinito azul
feito mar.

bjos

Bruno Ribeiro disse...

Pois é, Larissa, também gostei "daqui". E continuarei frequentando.

Já tinha visto um comentário seu num de meus poemas, que acabei revendo agora. Por isso vi teu blog como uma novidade bacana, mesmo já tendo visitado outras vezes.

É isso, valeu. Bj.

Vitor Andrade disse...

azul qye é pura memória de algum lugar...'
Não havia azul, mas havia o mar, em qualquer lugar, mesmo que na imaginação.

azul da cor do mar.

Thiago Assis disse...

a paisagem realmente deveria ser muito bonita, linda imaginaçao a tua, ou lindas escolhas para passeios voce tem =D

Salve Jorge disse...

Se só
Ou se mar
Somar
E daí semear
Sem meios
Nem freios
Virá
Que mar há

Mas só
Se no caminho

E poeira
Seguirem à esteira
Deixarem as besteiras
Por um ninho
Um par
Um nó
Mesmo só
Ao mar
Ah, mar
Que só mar há
Até cá...

CátiaSofia disse...

Por vezes abstraimo-nos dos problemas e desligamos do mundo, do mundo que queriamos mudar, que queriamos que tudo fosse melhor, mas sozinhos não somos capazes de fazelo, então caminhamos com um unico destino, a tranquilidade, para que possamos resolver de cabeça fria o que nos decidir enfrentrar.
Amei o texto e a tua maneira de escrever.
Desculpa a invasão.
beijo^_^

Hosana Lemos disse...

Caramba, não sei nem o que dizer...
tá perfeito, puxa!
Tu escreves demais garota!

"Sentiam o nada acontecer."
às vezes tenho essa sensação, é uma sensação de paz...

Ah, quanto ao mar...também quero chegar até ele, está me aprecendo um pouco distante, mas eu chego lá!

ADOREI, de verdade!

Ricardo Rodrigues disse...

selo respondido... bj

disse...

Seu texto me deu saudade do mar! Seu texto ficou lindo

Tamires . disse...

Laree, me desenhou uma cena tão linda aqui. Tão linda! Que fico aqui imaginando como você coloca tão encantadoramente as palavras, e como elas rebatem aqui, em reflexos.

Bjo!!!

E muito, mas muito obrigada pelo presente! Assim que tiver um tempinho, passo aqui pra pegar!
Adoreeeeeeei! E ele foi mais do que merecido pra vc!

fabio ferreira disse...

muitas destas palavras estão constantes em mim agora, principalmente AZUL que quer dizer, pra mim, agora, saudade...e eu querendo ser a onda que invade e lambe aqueles pés...
bjs e té
(ao som de Overjoyed)

Mikaele Tavares disse...

Oiiii
Olhando seu blog,gostei muito!!!!
Vc é atriz?? Espero um dia escrever um filme ou uam peça de teatro em que vc atue...rsrs..É que escrevo e tenho muitas ideias...
Vou ficando por aqui..
BJsss

Ná Lima disse...

Parece um poema, muito gostoso. Muito boa a forma que você descreve, e escreve muito bem. Te deixo meus parabéns e voltarei mais vezes para ler suas escritas!

Rafael disse...

Gostei, ficou bonito o texto...
Bjs

Tatá disse...

Por um instante, deu pra ver os seus pés na areia, banhados pelo mar
Lindo.

Me fez transportar para um ambiente de paz. E é disso que eu ando precisando.
Obrigada?!

Beijo meu, moça. :*

gabriela; disse...

que bonitas tuas palavras.
mas o sépia reinou no mar, néam?

:)
obrigada pela visita;

eu, vanessa. disse...

Também quero ter meus pés engolidos pelo mar...


Beijo
:*

Ígor Andrade disse...

"Não cabia azul àquelas cores..."
Passei muito tempo pensando sobre isso.
Abraço!

Thiara Pagani disse...

Que lindo! Amo AMrcelo CAmelo, gostei da citação final!

Fran.ciellen :) disse...

Se é um objetivo, então, que se caminhe até ele.
Isso me trouxe lembranças *-*


Lindo aqui!
Espero vir mais vezes :D

Thiago Assis disse...

Eu to excluindo meu blog antigo e agora vou ficar postando no
www.euthiagoassis.blogspot.com
Espero ainda contar contigo lá ^^

gato preto disse...

Que lindo!
E assistir o nada passar juntos,
só por estarem juntos, já não ser mais nada!